O fumante desenvolve a dependência psicológica após vários anos no hábito de fumar.
 Repetindo o mesmo comportamento instala-se a Dependência Comportamental.  Estabelece uma condição automática. Se depara com os gatilhos: disparadores do comportamento de fumar. Então fuma depois do café, das refeições, entre outros.

Poderá também desenvolver a Dependência Emocional.
O cigarro ganha um lugar importante na vida do tabagista, onde imagina que não saberá mais viver sem ele. Em alguns casos, sofre um luto com sua retirada, a mesma sensação da perda de um ente querido.
Cria representações como: cigarro-amigo, cigarro-antidepressivo, cigarro-calmante.
Delega a ele um poder de resolver todos os seus problemas. Um falso poder, uma ilusão. O que torna mais difícil sua retirada. Tem medo da perda desse aliado que resolve tudo ilusoriamente.
O cigarro ocupa o lugar da falta, do vazio, da solidão.
Precisará agora mudar essa relação mágica que criou com o cigarro.

No Grupo Psicológico do Programa Antitabágico do HU-USP, poderá obter um tratamento para esta dependência. O papel deste é de fortalecer o indivíduo até o ponto em que estando mais forte que o cigarro, consegue parar.

Vai conhecer e aprender novas técnicas e estratégias que irão ajudá-lo no seu objetivo de parar de fumar. Nomear os motivos que o levam a acender o cigarro.
Aprenderá técnicas de adiamento, de substituição, entre outras.

Terá com a equipe e os participantes, o apoio que irá fortalecer o seu compromisso. Este é sem dúvida um grande diferencial. 

Fonte: Psicóloga Edinalva Cruz